Menu

Cursos em Destaque

Soft Skills

CARE – Centro de Alto Rendimento Escolar

Técnico/a

Formação de Formadores – CCP

Curso Técnico de Apoio à Vítima Especialização Profissional
Técnico/a

Curso de Técnico/a de Apoio à Vítima

Nossas Marcas

Educação emocional nas escolas: Uma abordagem essencial para o bem-estar dos jovens

Instituto Unicenter
Geral
Partilhe esse artigo:
Getting your Trinity Audio player ready...

A educação emocional, um conceito cada vez mais valorizado nas sociedades modernas, ganha destaque na obra de John Gottman, “Inteligência emocional e a arte de educar nossos filhos”. Gottman ressalta a importância de orientar pais e professores a serem preparadores emocionais, um apelo que ressoa profundamente no contexto educacional atual. Esta abordagem não só complementa a formação acadêmica tradicional, mas também se apresenta como um pilar fundamental para o desenvolvimento integral das crianças e jovens.

Num mundo onde a pergunta “O que mais deseja para o seu filho?” frequentemente recebe a resposta “Felicidade”, torna-se imperativo refletir sobre as estratégias educacionais que adotamos. Estamos verdadeiramente a equipar os nossos filhos com as ferramentas necessárias para construírem uma vida feliz e equilibrada? A resposta passa pela incorporação da educação emocional nas escolas, um espaço onde as crianças passam grande parte do seu tempo e onde podem aprender a essência da felicidade.

A educação emocional abrange mais do que o simples reconhecimento das emoções. Envolve a capacidade de perceber, nomear, verbalizar e gerir as emoções de forma construtiva. Este processo permite que as crianças e jovens desenvolvam competências fundamentais como a empatia, o autocontrole, o otimismo e a resiliência, ferramentas essenciais para enfrentar os desafios da vida.

Implementar a educação emocional nas escolas significa oferecer atividades que promovam a interiorização, como exercícios de respiração e relaxamento, além de fomentar a comunicação através de rodas de conversa e a escuta ativa. Estas práticas ajudam a contestar pensamentos automáticos negativos, promovendo um otimismo aprendido e uma maior compreensão do próprio estado emocional e do dos outros.

O impacto da educação emocional vai além do ambiente escolar, influenciando positivamente a saúde mental dos estudantes. Ao desenvolver habilidades emocionais, estamos a prevenir uma série de psicopatologias, como ansiedade, depressão e distúrbios alimentares, contribuindo para uma sociedade mais saudável e harmoniosa.

A neurociência apoia a ideia de que a experiência modifica o cérebro, sublinhando a capacidade de transformar nosso mundo interno através da educação das emoções. A “plasticidade emocional” é uma prova de que, ao educarmos nossas emoções, podemos efetivamente moldar a nossa percepção da realidade e melhorar a nossa qualidade de vida.

Infelizmente, muitos ainda crescem em um ambiente que não valoriza o cuidado com as emoções ou o desenvolvimento de relações interpessoais saudáveis. Ao focar exclusivamente no sucesso acadêmico ou profissional, negligenciamos a importância de aprender a ser feliz, a expressar gratidão e a cultivar o otimismo.

É crucial que repensemos nossa abordagem educacional, incorporando a educação emocional como um componente central do currículo escolar. Ao fazer isso, não só estamos a preparar nossos jovens para os desafios acadêmicos e profissionais, mas também os estamos equipando com as chaves para uma vida pessoal plena e feliz.

A educação emocional não é apenas um complemento; é uma necessidade urgente. Ao ensinar nossos filhos a gerir suas emoções, estamos a dar-lhes o melhor presente possível: a capacidade de construir uma vida de bem-estar, felicidade e significado. Convido todos os educadores, pais e responsáveis a refletirem sobre esta questão vital e a adotarem práticas que promovam a felicidade e o bem-estar emocional nas gerações futuras. Ser feliz é uma aprendizagem que começa na escola, mas que se estende por toda a vida. Sejamos todos promotores de uma educação que valoriza a emoção tanto quanto a razão.

Também podes gostar:

Formação profissional certificada: Uma necessidade no mercado de trabalho atual

LER MAIS

O que são os cursos UFCD: Uma visão abrangente

LER MAIS

Horários dos Cursos

Curso Intensivo

Tipo

Modalidade

Horário

Duração

L1+S

36 Horas semanais em regime laboral + Sábado

6 Horas diárias: 9:30-12:30 e 14:00-17:00

2 Semanas e meia

L1+D

36 Horas semanais em regime laboral + Domingo

6 Horas diárias: 9:30-12:30 e 14:00-17:00

2 Semanas e meia

L2

30 Horas semanais em regime laboral

6 Horas diárias: 9:30-12:30 e 14:00-17:00

3 Semanas

Curso de Duração Média

Tipo

Modalidade

Horário

Duração

P2

15 Horas semanais em regime pós laboral

3 Horas diárias: 18:30-21:30

6 Semanas

P3

12.5 Horas semanais em regime pós laboral

2.5 Horas diárias: 19:00-21:30

7 Semanas

P1+S

21 Horas semanais em regime pós laboral + Sábado

3 Horas diárias: 18:30-21:30 +
6 Horas ao Sábado: 9:30-12:30 e 14:00-17:00

4 Semanas e meia

P1+D

21 Horas semanais em regime pós laboral + Domingo

3 Horas diárias: 18:30-21:30 +
6 Horas ao Domingo: 9:30-12:30 e 14:00-17:00

4 Semanas e meia

FS

13 Horas semanais em regime de fim-de-semana - Sábados e Domingos

6 Horas diárias: 9:30-12:30 e 14:00-17:00

8 Semanas

Educação emocional nas escolas: Uma abordagem essencial para o bem-estar dos jovens

Pedir Mais Informações